Ansiedade é um caso sério

on quinta-feira, 11 de março de 2010


Uma ansiedade súbita, náuseas, dor de estômago, suores, tontura, aflição, desconforto na garganta, taquicardia, problemas para respirar, nervosismo, sede excessiva e a impressão de que vai perder os sentidos, quase um desmaio. Um terrível e inexplicável sofrimento e a certeza de que é a morte rondando. Medo sem saber exatamente do que e uma vontade imensa de fugir não se sabe para onde. Correr para um porto seguro embora a sensação de insegurança e pavor seja apenas de quem sofre o problema. As pessoas ao redor não conseguem entender e, muitas vezes, nem perceber o que está acontecendo.

E o que está acontecendo? Ao contrário do que muitos imaginam não se trata de loucura. Todas essas reações acontecem ao mesmo tempo, porém, nunca se chega a perder os sentidos. Nunca porque essa cena passa a se repetir várias vezes até transformar a vida num verdadeiro inferno. É isso que se sente numa crise de Síndrome ou Transtorno de Pânico. A crueldade é viver uma batalha travada contra ninguém e sentir na carne o cansaço de uma guerra invisível.

A trajetória dos doentes é mais ou menos parecida. A primeira crise é avassaladora. Pelo menos aqui no Brasil, não há exames ou quaisquer tipos de comprovações documentais para o diagnóstico. A avaliação é o próprio depoimento do paciente. E há diversas correntes de pensamento, terapias, tratamentos.

No meu caso, sofro dessa “coisa” desde 2001. Tive uma melhora bastante significativa, porém, ainda não encontrei a cura, mas ela existe. Já passei por psicóloga, acupunturista, quiroprático, terapeuta de florais, pai-de-santo, padre, e por aí vai. A minha melhor alternativa foi mesmo o psiquiatra. Mas sinto-me uma cobaia. O recurso para tratar esse mal-estar paralisante é ir testando os remédios e olhe lá. Depois de experimentar grande parte das drogas disponíveis, cheguei ao Lexapro, um antidepressivo inibidor da recaptação da serotonina. Tomo em conjunto com o Rivotril, um tranqüilizante que ajuda a controlar os sintomas, e a Lamotrigina, uma droga antiepiléptica que vem sendo usada como estabilizador de humor.

Serotonina é uma substância chamada de neurotransmissor. Quando há uma falha nessa comunicação das células do cérebro (neurônios), entra o remédio. E vale ressaltar: Não tem exame, tudo é deduzido com base no que o paciente relata. O antidepressivo funciona como uma espécie de balsa e promove essa ligação dos neurônios. Eu tomo o Lexapro há dois anos. O que eu tenho de informação é que a cura acontece em 2 a 5 anos de tratamento contínuo. Mas quando você deixa um remédio e passa a tomar outro é tudo novo de novo. Em resumo: É outro tratamento, outra contagem de tempo para a perspectiva da cura.

Eu tenho sido o que o extinto grupo Raimundos chamaria de Mulher de Fases. Coitado do meu namorido! Eu sou legal, sou feliz, sou risonha e até divertida. Mas isso não impede crises de pânico alternadas com episódios de depressão. Na última consulta, eu contei ao médico a piora de alguns sintomas e ele me apresentou outra alternativa: Um tal de Valdoxan.

Já foi aprovado pela Anvisa e é o primeiro antidepressivo melatonérgico do mercado. Só que aceitar esse medicamento significa começar de novo. Sempre sem garantias. Exaustivo à beça! Os neurotransmissores clássicos são a serotonina, dopamina e noradrenalina. A tal da melatonina é produzida pela glândula pineal, que por sua vez é uma glándula endócrina localizada perto do centro do cérebro. Isso tudo não cabe na minha cabeça!

Dizem que o Valdoxan tem menos efeitos colaterais como insônias e cefaléias, aliás, parece até que previne dores de cabeça e enxaquecas em geral, além de regular o sono. A psicóloga me disse que eu preciso dormir para produzir serotonina. Se ela tem razão, juntando o quebra-cabeça, o Valdoxan parece mesmo interessante. 


Por fim, os preços (http://www.consultaremedios.com.br/):


Lexapro 10mg c/ 28 comprimidos: R$ 149,32
Valdoxan 25 mg c/ 28 comprimidos: R$ 212,54


OBS: Até meados do ano passado, o Lexapro não podia ser manipulado, não havia cartão desconto do fabricante, nem genérico, ou seja, nenhuma alternativa para baratear o tratamento, que inclui outros medicamentos e pesa bastante no orçamento. Mas parece que no final do ano passado a Aché lançou o Exodus, primeiro similar do Lexapro no Brasil.  


Exodus 10mg c/ 30 comprimidos: R$ 95,99

Para quem tem interesse no assunto, eu recomendo uma leitura no PsiqWeb sobre melatonina.

69 comentários:

Anônimo disse...

Muito boa reportagem.Tenho inumeras pessoas que sofrem deste problema e vme se tratando com psiquiatra e medicamentos,com melhora acentuada.

Cheguei aqui pelo TT.

Um abraço;

Anônimo disse...

Bom dia. Tudo bem?

Você colocou um comentário em meu site www.falandodereceitas.com.br e estarei publicando e espero que as pessoas que tiveram o mesmo problema possam estar descrevendo sintomas e demais informações, ok?

Abraços

Carmen

Ana disse...

Olá!
Eu sofro de ansiedade/ataques de panico desde o ano passado. Foi o pior ano da minha vida com todos aqueles sintomas que faz a gente pensar que é o fim! No meu caso a taquicardia e as arritmias era de tal forma intensas que eu tive de ir ao medico cardiologista. Depis de vários exames ele disse que eu não tinha nada e me receitou um beta bloqueador (para controlar a taquicardia). Pode parecer maluco mas esse é o único remedio que eu tomo. Nada de ansioliticos ou antidepressivos por enquanto. Claro que tenho dias melhores que outros. Ás vezes me sinto fantástica e penso que estou curada mas noutros dias lá vem aqueles sintomas de novo e volta tudo ao mesmo. No geral pode-se dizer que sou uma ansiosa "soft". O meu segredo para viver minimamente bem é não pensar na ansiedade e na maior parte das vezes resulta. Os ataques de panico nunca mais apareceram felizmente. Como é uma doença incurável fico com medo de tomar medicamentos para o resto da vida, por isso vou lutando comigo mesma e pensando: calma que isso é tudo da ansiedade! Nos dias em que todo o pensamento positivo não dá certo, vou rezando e pedindo para Deus que isso passe algum dia.
Beijos

Zingara disse...

Realmente não tenho respaldo para falar qualquer coisa para complementar essa informação. Mas, sim, patologias dessa natureza (como a Síndrome do Pânico também) sempre são tratadas como banalidade ainda.

Beijos e parabéns pelo esclarecimento.

DermatologiaGI disse...

A ansiedade também pode desencadear ou piorar certas doenças de pele, como psoríase, vitiligo, urticária crônica e alopecia areata.
Muito bom o artigo!

Tiozão das Batidas disse...

Vixi ! só de ver os preços dos medicamentos tive um ataque de pânico. Desculpe-me pela brincadeira.
Agora entendi porque você disse que não pode ' bebemorar '.

Juliane PP Mercante disse...

Ótimo texto! A Terapia Cognitivo Comportamental é bem útil em casos de Pânico. http://enxaquecaeansiedade.com/2010/02/26/ataques-de-panico-2/

registremos disse...

Eu recebi uma pergunta em off e vou responder aqui pq pode ser útil pra um monte de gente. A informação que tenho é a de que a maconha não causa síndrome do pânico, no entanto, ela pode estimular crises em uma pessoa que já tenha a predisposição. Mas um trauma qualquer tb pode estimular o transtorno em uma pessoa que já tenha a predisposição. Em resumo: Ao atravessar a rua, podemos ser atropelados dentro ou fora da faixa de segurança. Somos responsáveis por nossos atos, porém, vivemos em sociedade e temos que contar também com os acontecimentos alheios à nossa vontade. Tá dito. Beijos a todos.

registremos disse...

Outra pergunta em off que vou responder aqui. É sobre sentimentos de culpa. Vou falar de uma forma bem direta. A gente faz mil cagadas na vida, todo mundo faz. Mas ficar pensando só nos erros é negligenciar os passos acertados, entende? Temos que buscar o equilíbrio ou seremos reféns dessa síndrome para sempre. Eu sentia culpa por não conseguir trabalhar. Há um senso comum de que emprego não é só uma necessidade financeira, mas tb moral. Quem não trabalha não é gente, sabe? E o meu emprego não era um fardo, pelo contrário, era até divertido. Cada vez que eu entrava de licença médica a minha cabeça pirava. Sentimento de culpa por não ser gente normal. Isso nos faz adoecer ainda mais. Claro, eu esquecia de lembrar dos meus acertos! Só pensava no que parecia estar fora de ordem. Equilíbrio e fé são as duas palavras mágicas. A gente tem uma doença que não se comprova por um exame ou uma chaga visível a olhos nus. Você acredita em Deus? Tá respondida a sua pergunta? Apenas reflita. Beijos.

Anônimo disse...

gente sofro tanto com isso que só Jesus !

Anônimo disse...

Marcelo Pardo/psicólogo
Cheguei ao blog, após postagem sua em meu twitter.
Sou psicólogo formado pela Federal do Amazonas. Com especialização em psicologia clínica, pela mesma universidade. Em minha prática clínica tenho observado, que o suporte medicamentoso, em casos específicos e não em todos, é necessária.
A medicação não tem como curar os chamados transtornos de ansiedade, bem como os demais transtornos mentais que afligem uma parcela significativa da população. Os transtornos mentais tem relação direta, com as maneiras que se estruturam as mentes humanas e isto tem haver com aspectos bio-psico-sociais, é na reorganização dessas estruturas mentais que se alcança a cura.
Atendi pacientes com Síndrome de Pânico que ao longo da psicoterapia não houve necessidade de recomendação medicamentosa, via meus parceiros psiquiatras, obtendo resultados satisfatórios. Em alguns casos, porém, os medicamentos auxiliaram na estabilização de sintomas.
A ansiedade é inata, os sintomas, sejam de humor, alimentar, psicomotores, etc, são tentativas fracassadas que a mente desenvolve para tentar lidar com ela.
A orientação psicanalítica tem sido o instrumental teórico que tenho usado e até o momento tenho conseguido promover saúde e bem estar a maioria de meus pacientes.Evidentemente que existem casos de insucesso, mas em ambas as situações as variáveis são inúmeras.

Ana Gaúcha disse...

oi.Eu conheço bem este maL!!!

Nada fáciL!!!

Vi vc no Twitter.
Prazer!!!

registremos disse...

Ana gaúcha, o prazer é todo meu! Tentei te achar no Twitter, mas não consegui. Se passar por aqui novamente, deixa o seu link do Twitter ou me manda pro sobesom@gmail.com . Beijossss.

Anônimo disse...

FAZEM 20 ANOS QUE SOFRO DE SINDROME DE PANICO E ESSA ANSIEDADE QUE PARECE UE VAI NOS DEIXAR LOUCA, JA PROVEI DE TUDO, ANSIOLITICOS ANTIDEPRESSIVOAS HIPNOTICOS E AGORA POR ULTIMO O VALDOXAM QUE ESTAVA REAGINDO SUPER BEM, ATE QUE DEREPENTE VEIO TUDO NOVAMENTE , NÃO SEI MAIS O QUE FAZER... PROCURO ENCONTRAR UMA SAIDA POIS É HORRIVEL VIVER ASSIM. claricecrema_@hotmail.com

registremos disse...

Oi, Clarice! Eu devo começar o Valdoxan daqui a um mês. Estou apreensiva, mas, preciso tentar. O meu médico me contou que uma paciente dele reagiu mal ao Valdoxan, entretanto, depois ela acabou confessando que, por conta própria, usou o Valdoxan junto com outro antidepressivo. Deve ter sido um ato de desespero, não sei. Mas eu espero ter bons resultados com esse novo medicamento pq estou de saco cheio dessas limitações que síndrome do pânico e depressão impõem. Beijos, boa sorte, felicidades pra vc.

Anônimo disse...

Olá, queria dizer a todos que sofrem disto que é possível sim, sem remédios, de se ter uma vida normal e praticamente zerar as crises. Eu tenho TP/SP desde 2001 e tentei 1 vez tomar remédio e na primeira cápsula já me desencadeou crises tão fortes que nunca mais quis colocar nenhum remédio para o pânico na boca. Desde aí me trato somente com Terapia Cognitiva Comportamental, incluíndo exercícios fisícos diários (exercícios físicos mais vigorosos representam uma forma de terapia de exposição às sensações internas que o pânico causa), Yoga(estudos atestam a eficiência das práticas respiratórias para problemas de transtornos de pânico, dentre eles um estudo publicado pelo Journal of the American Medical Association (May 17, 2000), realizado no Boston University's Center for Anxiety Related Disorders, comprovou que a respiração diafragmática lenta, respiração das três partes, provou ser efetiva na redução da ansiedade tanto quanto a droga antidepressiva), tendo uma alimentação saúdavel, cortando estimulantes tipo cafeína, chá preto, chimarrão, energéticos e bebidas alcóolicas. Inclua na sua Dieta: 2 Bananas por dia (esta fruta combina doses de triptofano que produzem a serotonina), 1 colher de sopa de Mel por dia (pois aumenta a eficiência da serotonina no cérebro), 3 x por semana Salmão (O ômega 3 melhora o ânimo porque aumenta os níveis de serotonina, dopamina e noradrenalina - substâncias responsáveis pela sensação de bem-estar), 1 colher de Linhaça por dia (é uma fonte vegetal riquíssima em gordura ômega 3). Mantendo estes habitos posso garantir pra vocês uma melhora substancial, não digo que vai sumir tudo, mas diminuir a quase nada. Bom pessoal espero que estas dicas ajudem vocês conseguirem se curar SEM remédios, que na minha opinião só mascara o problema, além dos efeitos colaterais e no fundo não adianta em nada pois a SP ou TP volta a acontecer.
Abraços e boa sorte pra todos!
PS: Indico bastante este site sobre TP/SP:
http://www.psicoterapia.psc.br/scarpato/panico.html#classificacao

registremos disse...

Eu tenho uma convicção: Cada caso é um caso e deveria ter um tratamento para cada pessoa. Alimentação pra mim é um negócio complicado. Eu sou alérgica a alguns alimentos. Por exemplo: todos os peixes e frutos do mar. Eu já tomei praticamente todos os medicamentos dessa área e tive poucos efeitos colaterais. Eu fiz 5 anos de psicoterapia, porém, ajudou pouco. Eu não tive um trauma que desencadeasse a minha síndrome. Os 5 médicos que já consultei concordaram em poucas coisas, mas, foram unânimes em classificar o meu caso como genético. Eu tb tinha um agravante. Na fase inicial eu tinha 5 crises por dia. Com o tempo foi diminuindo. Eu não tinha condição de ir trabalhar e aí vem a burocracia interferindo nas escolhas do paciente. Para me afastar do trabalho, eu só tinha uma saída: O tradicional tratamento com o psiquiatra. Pq tinha que passar frequentemente na perícia e coisa e tal. Eu fiz terapias alternativa, porém, paralelamente. E haja dinheiro para pagar médico, remédios, psicóloga, acupuntura, quiropraxia, florais, etc, etc - que foram os meus gastos. Fiquei super endividada, entratanto, foi a forma que encontrei de não perder o emprego e ao mesmo tempo fazer terapias em que eu acreditava. Não estou curada, mas melhorei bastante. Quando lembro do começo da doença, Deus, como eu melhorei! Enfim, eu acho que todas as dicas de todas as pessoas ajudam e muito. Mas cada um precisa encontrar o seu próprio caminho. Aproveito para agradecer a todos que estão contribuindo com seus depoimentos. Esse post tem sido o mais lido e comentado, o que prova que muita gente precisa desse tipo de informação. Beijos a todos.

Rui Soares disse...

Uma ferramenta que pode ajudar a diminuir a ansiedade é determinados sons. Experimentem:

http://www.youtube.com/watch?v=ale6AZ_nPvs

registremos disse...

Rui: Em nome de todos os "paniquentos", agradeço a dica. Um forte abraço.

SMM disse...

oi visite o meu blog da síndrome do pânico, uma experiência pessoal-infernal, obrigado.

Depaulla disse...

Tbm sofro deste mal, mas o pior para mim é a indiferença das outras pessoas.

Juliana disse...

Juliana, cheguei aqui através do blog da ansiedade do Dr Arthur, tenho 26 anos, tenho panico desd março de 2009. Moro sozinha em uma cidad distantes de familiares, sou catolica e estou no 1º periodo d Bacharel em administraçao, e gravida, sim gravida, nem eu acredito. Tenho tido melhoras, eu tomava so o alprazolan 0,25, meu organismo e psicologico nao aceitam muito medicamentos. comecei 2 vezes tratamento mas parei, e a terceira vez parei por conta propria por causa da gravidez, to so com a terapia cognitiva comporamental. Ai gente, tao dificil, hoje to terrivel, sensações d desmaio fortes e medos inconcientes, indiscrimináveis e horrives, q passa q nem flashs em minha mente, Mas gente, perseverem, Deus tudo pode, sao poucos os q teem a paciencia conosco, mas sejam fortes, lutem, tudo dará certo, eu acredito em mim, e confio q tudo dará certo, perseverem gente, e orem por mim por favor. bjos e força a todos.

lucianavaz.net disse...

Juliana: O seu comentário há de ser muito importante para muitas pessoas. É uma barra, mas só pelo seu jeito de escrever no comentário, eu imagino que vc vai superar tudo. Se quiser bater uns papos, podemos nos falar por e-mail: sobesom@gmail.com. Eu tenho certeza que não só eu, mas as pessoas que lerem o seu comentário incluirão vc e seu bebê nas orações. Eu tenho uma amiga que tinha algumas crises de pânico antes de ser mãe. Depois da gestação, ela nunca mais teve crise. Eu sei que há uma enorme diferença entre ter algumas crises e desenvolver a síndrome, mas não deixa de ser uma boa notícia, né? Mantenha essa sua força e espero que volte para nos contar as novidades. Um beijo muito carinhoso e felicidades pra vc e seu bebê. Beijão e espero que vc me escreva pra gente conversar mais. Beijos.

Anônimo disse...

Cristina
Bem meu problema é relativamente mais antigo. Porque a primeira crise que tive pouco se ouvia falar em pânico. Foi em 1984. Fui a psicólogos, psiquiatras e nada resolvia nem eles sabiam do que se tratava. Até que fazendo um curso na Federação Espírita, descobri que o facilitador era um psiquiatra e o procurei no consultório. Diagnóstico: pânico. Fiz regressão, tomei remédio, florais e por alguns anos me vi livre das crises. Volta de vez em quando. Voltei pra a TCC, e com o psiquiatra medicando voltei a melhorar. Mas a uma conclusão eu cheguei. Até achar o medicamento ideal demora e você pode tomá-lo anos seguidos que parou a crise volta.
Meu primeiro médico que acertou me disse uma coisa que eu vi vários conhecidos descreverem: a crise vem, se você respirar fundo e se acalmar ela passa. Volta mais fraca, até desaparecer. O problema é que nos entregamos e desabamos logo de cara.
Como a minha vem sempre acompanhada de uma pequena depressão agora estamos tentando o Valdoxan.
Só um detalhe: nunca deixei de fazer nada por causa dela. Viajo, inclusive em viagens de mais de 15 horas de avião sem escala. Sou MAIS forte que meu pânico.
Um abraço

Célia Sandra disse...

Oi. tenho 45 anos e vivo tentando de tudo. sou formada em Direito, já trabalhei como professora, secretária, etc....Tentei recentemente trabalhar por conta propria, fabricando lençóis sob medida,estava indo bem, mas do nada, acabou.Estou arrasada.Me separei há 3 anos, numa situação financeira de dar dó.3 filhos adultos, todos trabalham e me chamam de "morta de preguiça", pq nao consigo procurar emprego devido a essa doença q mata a alma sem marcar o corpo. Parabens Luciana, pq eu nunca havia visto uma definição tão completa, real e breve desse mal. Ah, comecei a tomar o Exodus há 10 dias, quase morri com os efeitos iniciais, mas jurei q nao pararia antes de um mes.Começo a perceber uma melhora sutil.Eu tenho namorado e sinceramente, não houve inibição de orgasmo.Estou muito confiante, principalmente, pq sei q Deus está lutando ao meu lado.Saúde e felicidade a todos. Conheci seu blog através do google, meu email: celia_ebsa@hotmail.com

Luciana Vaz disse...

Célia: Fiquei muito emocionada com o seu comentário. Agradeço imensamente o seu relato, que enriquece bastante o conteúdo dessa postagem. Eu vou te enviar um e-mail pra gente manter o contato. Um beijo carinhoso da amiga Lu.

Anônimo disse...

Oi, Luciana.

Meu nome é Andrea. Tenho 26 anos, e há 01 ano faço tratamento para pânico. Quando lí o seu blog ralatando das crises de ansiedade/pânico, parecia que tinha sido eu que o escrevi. Eu tomei Remeron (Mirtazapina) durante 09 meses, mas engordei muito.

Há uma semana comecei a tomar o Valdoxan. Mas estou me sentindo mal, angustiada, com vontade de chorar toda hora, com muito medo de ter uma nova crise (eu tive recentemente). Queria saber se mais alguém se sentiu assim, se vale a pena esperar mais um pouco para ter um melhor efeito, pois como vc disse, trocar de tratamento é começar do zero.
Você pode me contar melhor sua experiência com o Valdoxan? Qual medicamento vc está usando agora? Meu email: deiapharma@yahoo.com.br.

E parabéns pelo blog. Tenho certeza de que ajudará muitas pessoas. Não desista dele!

Um abraço.

Lu Vaz disse...

Olá, querida Andrea! Quando eu leio depoimentos sobre a síndrome do pânico e a depressão eu tb me identifico com os autores. Mas faço o possível para me manter numa frequência positiva. Eu nunca tomei o Remeron. Mas já tomei o Valdoxan e tive terríveis efeitos colaterais. Voltei ao médico e ele suspendeu imediatamente esse medicamento. A minha sugestão é que vc relate imediatamente os seus efeitos colaterais ao seu médico. Peça uma consulta de emergência, um encaixe na agenda do seu médico, e relate tudo que vc está sentindo na experiência com o Valdoxan. Esse é o melhor conselho que posso te dar. Depois me mande notícias suas. Um beijo muito carinhoso pra vc e sempre que quiser bater um papo com outra paniquenta, eu estou à sua inteira disposição. Meu e-mail é sobesom@gmail.com . Beijos da Lu.

Elizete disse...

Olá Luciana,meu nome é Elizete e lendo seu depoimento me identifiquei,já que tenho essa "coisa" há mais de 4 anos.Foi um começo difícil,com adaptaçoes aos remédios,licenças do serviço,muitas dúvidas e angústias.Tomei Pondera(paroxetina) por 4 anos,fiquei bem nesse período,precisando as vezes de Rivotril nos momentos de maior ansiedade.Agora em novembro mudei o remédio por orientaçao médica e passei a tomar o Exodus,com a finalidade de ter menos efeitos colaterais (já que essa é a promessa dos novos medicamentos).Também tenho TOC e o Pondera nao estava ajudando.Bom,resumindo,tive uma crise de abstinência daquelas,passei mal pra caramba e o medo de ter a crise de panico voltou a rondar.Mas com a atençao da médica e já me conhecendo melhor(a gente passa a perceber os sintomas quando eles começam a surgir) depois de uns 8 ou 10 dias melhorei,já passou a vontade de chorar sem motivo,a sensaçao de labirintite e o cérebro balançando dentro da cabeça também desapareceram.Já me conformei com o que tenho que passar,e o mais importtante é poder levar uma vida normal.Continue dando dicas e incentivando as pessoas que buscam ajuda,assim como foi comigo,pois quando compartilhamos as angústias nao nos sentimos incompreendidas nem abandonadas.Um grande abraço!!Ah,já ia esquecendo,eu também sou de Santos. Beijos!!!

Guerreira disse...

Boa noite Luciana
Também sou pisciana. Sofri angustiadamente de sindrome do Pânico, acompanhada de depressão e como não podia deixar de ser alteração na pressão. Eu sabia a causa da situação, pois morava em uma casa q. estava interditada pela Defesa Civil ameaçada de cair, com enormes rachaduras e movimentando para tras e para o lado esquerdo. Enfim UM TERRRRRRRORRRRR.O panico começou quando chuvia e acompanhava relampagos e trovoadas, os vidros tremiam, a claridade me aterrorizava. Eu fechava a casa toda, mesmo assim ainda tinha claridade dos relampagos, ai fechava toas as portas, pegava um banquinho e sentava no corredor da casa, fumando, rezando e chorando muito, eu morava e moro sozinha. Tomei, claro receitado diazepan de nada adiantou. Procurei um psicologo (melhor coisa q. fiz). Conversei...conversei...chorei...Ele receitou aprazolan, e citta, tomava um de cada pela manha e a noite. Fui melhorando, porém continuava na mesma casa, era como eu desse 2 passos a frente e um para tras, não conseguia vender, não conseguia sair do imóvel. Nas crises eu suava em bicas e a cabeça parecia estourar (pico de pressão alta). Consegui vender o im´vel so// o terreno e resolvi mudar aos trancos e barrancos para um imóvel que moro, mas com propósito de mudar, fiquei c/a mudança embalada por um mes. Agora resolvi morar definitiva//. Estou bem e o médico suspendeu o Citta e o aprazolan tomo so// a noite e minha pressão voltou ao normal. No início do ano faço todos os exames completo. Na realidade nós sabemos o motivo da ansiedade, porém não queremos aceitar e lutamos contra, aí vem a depressão acompanhada de pressão alta. Hoje faço terapia de grupo, cada um conta o seu problema da semana e cada um dá opinião sobre o mesmo. É ótimo. Não aconselho a terapia sozinho, a gente fala...fala...e fala e a psicologa so faz perguntas para que falemos mais...e mais. bjs no seu coração. Hoje estou trocando tudo, não quero lembranças do passado - casa nova, tudo novo e a vida tb.

Anônimo disse...

Ola a todos que participam deste blog. Cheguei aqui"por acaso" e li quase todos relatos. Tenho 49 anos e algum tempo tomo alprazolan 2mg para poder dormir. Não sentia nada de anormal, ate que alguns meses para cá passei a ter uma sensação horrivel,sem vontade de sair, de conversar,dificil algo me dar prazer, imagino que seja por causa da idade, quem sabe uma recomposição hormonal,não sei ainda. Fui a ginecologista e pediu vários exames que ainda não fiz por falta de tempo, porem a medica receitou o exodus, no primeiro comprimido me senti mais estranha ainda e parei. Não sei ao certo o que se passa comigo, será que é algum sintoma de depressão ou simplesmente por causa da chegada da menopausa? Mas meu estado emocional se encaixa em alguns comentários.

Lucas disse...

Olá, cheguei aqui pelo google e li todos os depoimentos. Incrível como nossas histórias se parecem.

Estou em tratamento há uns 9 anos. No começo ive 2 crises de pânico e depressão. COmecei tomando Pondera, Cebrilin entre outros e nos últimos 4 anos tenho tomado o Lexapro 10mg.
Depois de muito tempo sem nenhum problema, voltei a ter crise de depressão. Meu apetite desapareceu...cheguei a ficar 1 semana sem almoçar nada e no final de semana passei com 1 Mc Fish....Estou em tratamento agora (2 meses) com psicólogo, mas ainda me sinto ansioso, sem fome e às vezes triste.
Será que o remédio está perdendo efeito em mim?

Estou com outro problema que é minha médica. Ela se mudou e agora estou à procura de outro psiquiatra. Moro no Jabaquara, Z/S, quem tiver um bom para indicar e se possível informar a média de preço da consulta...Eu pagava R$80,00.

Boa sorte a todos e força que conseguiremos vencer essa doença!

Anônimo disse...

chequei aqui procurando relatos sobre a sindrome do pânico, pois sofro com ela a mais de 3 anos depois de ter sofrido um assalto dentro da minha própria casa. Acreditava ser muito forte, mas essa doença do pânico nos derruba muito, dando uma enorme insegurança. Mas ao mesmo tempo fico feliz em encontrar pessoas que passam pela mesma coisa e que dividem com a gente. Hoje tomo o Exodus a um mês, depois de ja ter trocado de remedio varias vezes e tenho muita esperança nele.
As vezes parece que tudo passou ai derrepente vem aquels sentimentos que nos atordoa, meu principal sintoma é a dormencia e a tontura. Mas temos que ter muita Fé, iiso sim é importante para nos curarmos e por favor quem achar a cura divide em!!

Obrigada

Silmara disse...

Ola amigos, ja postei um comentário neste blog, mas perecebi que quase todas pessoas tem sindrome do panico, como disse antes estou passando por uma fase digamos não boa, horas fico bem outras não, não sei se pela chegada da menopausa ou estar depressiva mesmo. Alguem poderia me dar alguma informação a respeito, porque não quero me entupir de remedios e nem ficar dependente.

Lu Vaz disse...

Olá, Silmara! Eu não sei te dizer se alguma mudança hormonal pode estar te acarretando depressão ou algum mal estar. Eu acho importante vc procurar um médico para fazer exames e um tratamento adequado ao seu organismo. No seu lugar, eu relataria tudo ao ginecologista e dependendo da opinião médica e resultados de exames, eu buscaria também um psiquiatra. Mas só um médico vai poder te dar esse tipo de resposta. Silmara: Não deixe de fazer consultas médicas e procure relatar detalhadamente o que vc sente e percebe de alteração no seu dia-a-dia. Quanto mais vc conseguir relatar, mas fácil fica para o médico te orientar. Beijos, boa sorte e felicidade pra vc.

Anônimo disse...

Olá! Cheguei ao blog atravéz do google.
Bom! Hoje tive uma crise terrivel, minha vontade é de morrer.......não sei mais o que fazer. Também tomo Lexapro com Cloridrato de Clomipramina e Alprazolan. Mas quando se trata de pegar um ônibus para ir pra um lugar desconhecido, os sintomas de "morte" começam. Estou péssima,não sei mais o que fazer.
Me identifiquei com você Lu. Você fez algum tipo de terapia? Viu melhoras significativas? Obrigada!
(naluma_piuma@hotmail.com)

Anônimo disse...

Olá Luciana,

Me identifiquei muito com o seu artigo. Nossa história é parecida, como a de muitos acredito. No entanto, quando o médico me receitou o Valdoxan eu desisti do tratamento. Não quis recomeçar. Então decidi parar o Escitalopran (lexapro formulado) + Venlafaxina e resolvi seguir por mim mesma.
Essa decisão veio quando na espera da última consulta, conversei com 2 mulheres que lidavam com a depressão há mais de 20 anos e continuavam na mesma luta que eu estava há 2 anos. Aí pensei... "obrigada à toda a química que me ajudou até aqui...fundamentais para me trazerem de volta quando caí em depressão grave e tive os primeiros ataques de pânico. Mas agora já conheço os sintomas e vou lidar melhor com eles, sem vocês. Afinal, se é pra viver com eles por tantos anos como esses dois exemplos que estão na minha frente, que seja sem injetar novas drogas no meu organismo". Hoje estou bem...quase sempre. Quando tenho as crises (depressão ou pânico) lembro que provavelmente eu também as estaria tendo eventualmente mesmo se estivesse nas medicações ainda, com a diferença que estaria mais pobre ( rs ... pelo preço dos remédios) e com substâncias que desconheço fazendo parte do meu corpo! Nesse pensamento sigo em frente... feliz pela decisão de ter, no momento em que me vi mais forte, buscado me manter "normal" de outras formas mais naturais.

Mas cada um tem um caminho... e o importante é que esse caminho esteja fazendo bem, mesmo com essa ajuda artificial.

Ainda assim quis dividir aqui essa minha experiência, para a reflexão de quem ler.

Bjs... !!!

Luciano disse...

Pesquisando pelo Google
Olá Luciana,
Execelente mandou muito bem.
Quero dizer que muitas pessoas sentem e a gente acha que é só com a gente, mas não diminui o problema que é terrível. No meu caso, tenho: ansiedade, irritação, medo "sem saber do que", aflição, insegurança, suores, visão turva, fobia social dentre outros sintomas comum. Apesar de que fiquei 1 ano e meio sem tomar nenhum medicamento e me senti muito bem, depois excesso de trabalho e muita preocupação voltei a tomar o Rivotril 0,5mg, mas ele apenas alivia a sensação, agora consultei um psiquiatra e vou tomar Exodus 10mg.
Minha opinião acho o que causa tudo isto é minha preocupação e pensar no que vai acontecer amanhã ou depois e no futuro, estou tentando trabalhar este lado e deixar o futuro para DEUS e também confiar nele.
Um abraço a você e a todos.
Luciano

Anônimo disse...

boa noite ! eu estou a escrever aqui porque preciso muito de uma opiniao sua. sei que talvez nao seja o local indicado para eu escrever isto, mas nao sei o que fazer mais.. será mesmo ansiedade?
já à aproximadamente 4 meses que sinto vários sintomas (dores no peito, muitas tonturas, alguns enjoos, falta de ar, sensação de desmaio, algumas dores de cabeça, falta de sono,..) isto diariamente e a quase toda a hora. já fui ao medico, realizei analises ao sangue e um electrocardiograma e esta tudo bem. contudo eu nao consigo acreditar que a minha doença é apenas ansiedade, porque o que eu sinto é muito forte e muito doloroso. já nao consigo viver a minha vida e vivo sempre aterrada com medos que me destroem. tenho muito medo de morrer e estar doente e muito medo de desmaiar :x já nao sei o que fazer, AJUDE-ME ! podem dar a vossa opiniao sobre o que acham que isto pode ser? será realmente ansiedade? que doenças se podem confundir com a mesma? se acharem que é ansiedade o que é que eu posso fazer para elimina-la? muito obrigado, estou mesmo muito mal. espero que me possa ajudar (:

Lu Vaz disse...

Olá, amiga Anônima! Não há como afirmar que vc tem síndrome do pânico ou transtorno de ansiedade. Posso te sugerir consultar também o psiquiatra e/ou um(a) psicólogo(a). Posso te dizer que ansiedade fora de controle não é algo que se possa descrever como apenas ansiedade. A pessoa que tem o diagnóstico de síndrome do pânico ou transtorno de ansiedade passa por sensações avassaladoras e fortíssimas. O primeiro passo é procurar o diagnóstico correto. Se for detectado que é mesmo transtorno de pânico, não se preocupe, pois, há tratamento. Aos poucos as coisas vão entrando nos eixos. Boa sorte, beijos e seja sempre bem-vinda aqui.

rosangela.bert disse...

Rosangela (Bertioga)

Oi Amiga...

Estamos diante de uma realidade tão dolorida, porque só quem sofre desta "doença" sabe o quanto é assustadora e destrutiva.
As minhas crises cada dia só pioram, estão ficando frequente e o pior que ninguém entende e me vêem como a louca, coitadinha e assim vai.
Fico meses sem aparecer na rua, não quero ver ninguém, não quero falar com ninguém, não quero me arrumar, não quero que me olhem é uma coisa que eu não consigo controlar. Não posso ficar nervosa com uma simples coisa que a pressão sobe muito (mesmo tomando remédio controlado), me da taquicardia, tontura, enjôo, muita dor de cabeça, falta de ar, muita dor no peito (de chorar), sempre penso que vou morrer. A minha maior revolta é que eu não sou a coitadinha, eu não quero estar assim, quero viver e ser normal. Graças a Deus eu tenho um Marido (23 anos de casada) que esta comigo me ajudando nesses momentos e nunca me abandonou mesmo quando eu quero mata-lo nas minhas crises rsrsrs.
Lu parabéns pelo blog, amei... bjus. rosangela.bert@hotmail.com

Anônimo disse...

Tenho 63 anos e tive a primeira crise de pânico com 14 anos. Lembro perfeitamente. Veio um aperto no peito, uma sensação de vazio e barulho na cabeça, o coração acelerou, começou, primeiro, a ficar dormente os dedos, as mãos, os braços, o estomago, o rosto, enfim, todo o corpo. Foi terrível. A minha avó tinha um santuário em casa, fui até lá, ajoelhei e começei a rezar, mas não melhorei. Saí gritando, dizendo que iria morrer e fui socorrido pelo meu pai. Meu pai dizia que não era nada, que iria passar e depois de uns 30 minutos realmente passou. Nunca mais voltei a ser o mesmo. Na época ainda não havia diagnóstico de pânico, pelo menos no Brasil, e sofri muito. Fui em diversos médicos, fiz exames, pressão, coração, tudo normal. Alguns comentavam que era "piti". Fui levando a vida mais ou menos, passavam meses bom e às vezes tinha uma crise. Hoje sei que sempre era em decorrência do que se chama stress. Muito medo de morrer. Ser enterrado vivo. Ter um infarte. Um derrame. Câncer e todas as doenças que ouvia dizer. Um terror e como já foi dito: uma coisa que não se quer nem para o pior inimigo. Os medos eram assustadores: medo de comer e olhar no espelho para a boca não ficar torta. Depois que comia ficava fugindo de qalquer coisa onde minha imagem ficasse refletida. Medo de lugar alto, achando que viria uma vontade de pular. Medo de tudo. Mas o tempo fou passando e continuei com os estudos. Somente com 28 anos foi que pela primeira vez a minha doença foi diagnosticada. O psiquiatra receitou anafranil e rivotril (gotas) não lembro as dosagens. Fiz tratamento por 3 anos, as doses foram diminuidas - SEMPRE COM CONTROLE MÉDICO - e um dia tive alta. NUNCA TOMEM REMÉDIO POR CONTA PRÓPRIA OU MINTAM PARA O MÉDICO. - Fiquei bom por uns 12 anos sem medicação. Depois as crises voltaram, mas com menor intensidade e fiz novos tratamentos. Os psiquiatras diziam que haviam remédios novos e passei a tomá-los. Lembro, além do anafranil, zoloft, sertralina, cimbalta, prozac, venlifit, e um ou outro que não me ocorre agora. MAS O MEU ERRO foi que por conta própria quando achava que estava bom suspendia a medicação. Agora estou passando por uma séria recidiva. Estou tomando REMERON 30mg e EFEXOR 70mg há uma semana e ainda não estou sentindo melhora. O Remeron, primeiro, tomei por um mês 15mg. Depois 15 dias 30mg e como não melhorei o psiquiatra acrescentou o Efexor, começando, primeiro, por uma semana, 30mg. O critério nas dosagens e adequação e muito importante. Também, pelos efeitos colaterais do Remeron, fiz exames de sangue de colesterol e anemia. Estou escrevendo pretendendo ajudar pessoas como eu e que estão passando o mesmo problema. Não desistam. O que muito me prejudicou foi que desde criança sempre fui muito quieto e não conversava sobre os meus sentimentos com ninguém. Conversem. Falem sobre os seus sentimentos. Isto ajuda muito. Também, apesar de toda a violência das minhas crises vocês perceberão que dará para levar a vida. Consegui estudar. Fiz faculdade e na minha área de trabalho passei em dois concursos públicos difíceis e agora, recentemente, por tempo de serviço, aposentei. Bom, para não escrever muito. NÃO DESISTAM. PROCUREM TRATAMENTO. NÃO TOMEM REMÉDIO POR CONTA PRÓPRIA OU SUSPENDAM O TRATAMENTO. É MUITO IMPORTANTE A CONFIANÇA NO PSIQUIATRA. SE NÃO TIVER TROQUE DE MÉDICO. Já tive crises, no começo, inimagináveis. No auge, antes do primeiro diagnóstico, parei de estudar e pela minha obsessão de comer e passar mal, cheguei a pesar 49 quilos, tendo l70cm de altura. Parei de estudar um ano no quarto ano da faculdade. Também, parabéns pelo blogue.

Anônimo disse...

Voltei para informar que o Remeron (mirtazapina). junto com o Efexor (venlafacetina) foi um DESASTRE. Sofri efeitos colaterais terríveis e piorou a ansiedade e depressão. O psiquiatra suspendeu o Efexor e um outro psiquiatra receitou um novo remédio Valfexan 25mg. (os dois psiquiatras são colegas) e considero ambos bons. Antes de tomar o Remeron com o Efexor ele me mostrou uma revista onde um psiquiatra dizia sobre os bons resultados obtidos com os dois medicamentos. BOM, DEPOIS DOS MAUS RESULTADOS NO MEU CASO ENCONTREI UM ARTIGO NA INTERNET ONDE UM OUTRO PSIQUIATRA DIZIA QUE O REMERON E O EFEXOR ERAM PREJUDICIAIS SE MINISTRADOS JUNTAMENTE. Qual está com o razão? Acho que os dois. Os medicamentos, separadamente ou juntos, podem ter efeitos diversos para cada pessoa. Alguém deve ter se sentido muito bem tomando o Remeron junto com o Efexor e, como no meu caso, alguém também deve ter se sentido muito mal. O tratamento psiquiátrico, na minha opinião, é um jogo de tentativa de acerto e erro. Nós devemos confiar nos médicos e ao mesmo tempo, nós devemos, também, não confiar nos médedicos. Devemos ficar atentos e nos informarmos o mais possível sobre o que nos é receitado para não sofrermos mais ainda caso não haja bom resultado no tratamento. Outra coisa importante é que OS DOIS PSIQUIATRAS dão para os pacientes número de telefone onde podem ser encontrados TODOS OS DIAS. Quando não atendem na hora, retornam a ligação. Então, qualquer dúvida ou sintoma podem ser esclarecidos de imediato. Acho que isso é importante. Não faz sentido não podermos informar com rapidez ao psiquiatra o que estamos sentindo com o remédio que ele prescreveu. Vou iniciar o tratamento com o Valfexan 25mg amanhã. Pela bula os resultados aparecem em duas semanas. Voltarei a informar. Um abraço a todos.

Lu Vaz disse...

Olá, amigo(a) Anônimo! Realmente, faz toda a diferença ter o telefone do médico em mãos. Obrigada por dividir com a gente as suas experiências. Desejo que vc tenha sorte com o novo medicamento. Vou ficar na expectativa de boas notícias suas. Beijos carinhosos da amiga Lu.

Filipe disse...

Eu tenho um problema. Sinto pânico em público, quando vou a sítios com muita gente fico muito nervoso, sentindo que estão todos me olhando e fazendo troça de mim. Eu sou um rapaz normal, tenho 25 anos mas nunca estive com uma mulher mais que uns namoricos bobos. Sinto pânico de perder as mulheres que conheço e começo logo pedindo atenção e as meninas fogem todas de mim com desculpas para não me magoarem....Me sinto muito infeliz e entrando em depressão. Não tenho amigos com quem eu possa sair e desabafar. Tenho apenas um único amigo que é um colega invisual que me dá atenção e me compreende e me dá uma palavra amiga.
Preciso de ajuda para conseguir me concentrar no meu trabalho e melhorar este meu problema que sinto que me está a trazer problemas a nível social há muitos anos, desde a preparatória...
Me ajudem, deixo meu mail zizo2@sapo.pt

Filipe
Lisboa

Lu Vaz disse...

Filipe: Eu faço tratamento com uma psicóloga. Eu recomendo. A minha terapia com a psicóloga é cognitivo comportamental e a profissional usa várias técnicas para me ajudar. Eu me sinto muito mais confiante para administrar as minhas crises de pânico. E também faço tratamento medicamentoso com um psiquiatra. A ajuda que posso te oferecer é recomendar que você procure ajuda médica e psicológica. E te dizer, por experiência própria, que faz toda a diferença. Eu te desejo felicidades e sucesso. Um beijo e um abraço carinhoso da amiga Lu Vaz. E seja sempre muito bem-vindo aqui nesse espaço.

*Aninha disse...

Oi!!! Te localizei pelo Google
Estou com depressão não sei bem desde quando. E tem dois meses que iniciei o tratamento com fluoxetina, sem resultados! Minha depressão foi aumentando e tive crises a ponto de querer me matar. "Medo sem saber exatamente do que e uma vontade imensa de fugir não se sabe para onde". Essa sua frase descreve exatamente o que tenho sentido durante as crises. Esta muito dificil trabalhar e estudar. Ontem fui a uma psiquiatra e vou começar um novo tratamento com Exodus e um calmante (que não me lembro o nome). Bom só quero dizer que é ótimo ter pessoas para dividir esses pensamentos. Meu email é: aclaudinhareis@hotmail.com
Beijos, e parabéns pelo espaço.

Lu Vaz disse...

Oi, Aninha! É difícil a gente saber com precisão desde quando tem problemas como episódios depressivos e afins. As primeiras crises de pânico são mais fáceis de identificar. Mas isso tb não é o mais importante. O que realmente importa é vc encontrar o melhor tratamento pra vc. Cada caso é um caso, portanto, tratamentos são diferenciados. Se a fluoxetina não te ofereceu resultados, sem problemas, o seu médico vai encontrar o melhor remédio pra vc. Procure ficar tranquila e sem culpas. A paciência é muito importante. Não temos culpa e não estamos com preguiça. Se puder fazer também um acompanhamento psicológico é super interessante, principalmente pra ajudar a gente a entender os tantos sentimentos que acompanham esses tipos de doenças. Por exemplo: Quando pensamentos intensos de morte começam a povoar a minha mente, eu procuro lembrar que isso é químico cerebral e não condiz com a minha realidade. Imediatamente, eu começo a pensar nas tantas coisas ótimas da minha vida, na minha família, nos bons momentos, eu vou viajando pela minha realidade e consigo identificar que não sou depressiva, apenas estou com depressão. Funciona pra mim, não quer dizer que vai funcionar pra todo mundo. Por isso, eu só posso te aconselhar a buscar as ajudas que forem mais convenientes pra vc. Estou na sua torcida, estamos todos no mesmo barco. Beijos carinhosos da Lu.

Anônimo disse...

OLÁ, TENHO DEPRESSÃO HÁ 6 ANOS E ESTOU NO MEU 8º.ANTEDEPRESSIVO. É O VALDOXAN 25 MG, ESTOU TOMANDO HÁ DUAS SEMANAS AGORA ESTOU "BEM", O DURO É QUE TUDO QUE COMO PARECE QUE VAI DIRETO PRO INTESTINO, MUITA DIARRÉIA E ESTOU INCHIDA PRINCIPALMENTE NA PARTE SUPERIOR DO ABDOMEM (ESTOMAGO) SERÁ QUE É NOMRAL,ME SINTO UM ASTRONAUTA.CICA DE OSASCO, CHEGUEI AO BLOG PELO GOOGLE POIS ESTOU PREOCUPADA PELO INCHAÇO.

Lu Vaz disse...

Oi, Cica! Tomei o Valdoxan por pouco tempo e não consegui ficar atenta a todos os efeitos colaterais. Eu não sei te dizer se fiquei inchada. Mas ficar inchada, ter diarréia e todo esse mal estar que vc relatou não é normal pra ninguém, tomando Valdoxan ou não. Dessa forma, eu sugiro que vc relate isso ao médico. Acho importante ele saber desse quadro pra poder te orientar melhor. Fico na expectativa de que vc melhore logo. Um beijão com muito carinho pra vc.

Anônimo disse...

Bom dia, meu médico me receitou EXodus...para ansiedade ,queria saber alguém tomou e se engorda? Grata Dani

Lu Vaz disse...

Oi, Dani! Eu venho engordando nos últimos anos, porém, não penso que seja por causa dos medicamentos. Eu como mais do que preciso comer. Eu não tenho uma resposta específica para a sua pergunta. Talvez um leitor do blog possa te responder. Essa é a postagem que mais recebe comentários. Beijos e sucesso no seu tratamento!

Anônimo disse...

oi!parei de tomar o exodus de 10mg faz 2 semanas, agora estou me sentindo muito mal,tremores ,calafrios,taquicardia,sensação de maos e rosto inchado.....isso será pq parei por conta própria?eu estava muito bem com essa medicaçao !parei pq pensei, sou muito nova p essas medicaçoes tenho só 27 anos .acho q vou retomar meu tratamento....se alguém pode me ajudar por favor me add mih_mottaa@hotmail.com ! obrigadaa!! cheguei ao blog pelo google.meu nome eh mirian. bjus a todos!!!

Lu Vaz disse...

Mirian: Não pode parar o tratamento sem orientação médica. Vc precisa voltar ao médico. Parar os remédios repentinamente causa muito mal estar. O melhor conselho que posso te dar é pra vc voltar ao médico e relatar tudinho. Beijos e felicidades pra vc.

Jax disse...

Ola Lu, bom dia.
Muito interesante seu depoimento, acho que nada mais fiel que suas descrições sobre como se sente uma pessoa com transtornos de pânico ou ansiedade.
Meu caso é TAG, ansiedade, comecei a ter os sintomas em 2009, após alguns meses toamdno Alprazolam 0,50mg as crises se foram do nada e recentemente voltaram a aparecer.
Faço tb há dois anos terapia, não especificamente para esse problema, mas vou ter que ficar diretamente a partir de agora, na medida que iniciei um tratamento a base de escitalopran (Exodus e Lexapro) não só para me curar, mas tb para evitar possiveis recaídas. O médico me disse que a resposta do medicamento, desde que respeitados prazos, chega a 60%. Trata-se de um percentual consideravel, animador.
O meu caso se complica um pouco pq tenho probelma de insonia, até agora ainda não me encontrei para saber se a ansiedade gera a insonia ou insonia gera a ansiedade...
Tenho certeza que meu problema é somente emocional e que quando me encontrar amorosamente (estabilizar minha relação atual) e um ou outro problema as coisas vão voltar ao normal.
Acha que estou no caminho certo?
Bjs e parabéns pelo trabalho e pelo espaço que vc destina a pessoas com o nosso problema

Anônimo disse...

Olá,

Alguém sabe se tomar Lexapro de dia e à noite suplemento para dormir como a Melatonina causa alguma reação perigosa?

Obrigada

Cezar disse...

Olá Lu,
Preciso de orientação, tive depressão há dois anos e tomei Pondera 25mg, e melhorei muito a ponto de esquecer o que era deprê. Só que agora esses sintomas voltaram, e tive q ir no médico de novo, minha psiquiatra receitou Lexapro 15mg, no primeiro mês me dei bem, mas depois piorou de novo, agora faz 01 semana que ela me passou o Valdoxan 25mg, e ainda continuo sentindo aqueles sintomas horríves, medo de morrer, ansiedade terrível, vontade não fazer nada enfim todos os sintomas que todos que passam por isso conhecem.
Me orienta, por favor. abraço

Lu Vaz disse...

Oi, Cezar! Olha, eu entendo a situação, entretanto, eu só posso te recomendar uma consulta com o médico. Embora os sintomas sejam semelhantes aos da maioria que têm esse tipo de problema, cada um reage diferente aos medicamentos. Beijos da Lu.

Anônimo disse...

oa,cheguei pelo google... dificil aceitar que eu tenho sindrome do panico ja que passei por alguns medicos e psicologos e estou fazendo terapia, mas minha médica nem sequer sugeriu a possibilidade, porém tenho todos os sintomas. Vou viajar e estou extremamente ansiosa, nao consigo dormir e pedi a ela um remedio, ela disse que nao era bom tomar, por conta propria buscando percebi que perdi minha mae recentemente e isso desencadeou, apenas faço terapia mas nao aguento mais viver assim, nao consigo nem msm forças para levantar e tomar banho tamanho o desespero que sinto, a viagem me desespera e só penso que preciso de um remedio que me tire esse sofrer. Desculpe usar o espaço para desabafar, mas preciso, meu marido e filhos nao entendem, mas nem cozinhar eu estou conseguindo, fiz um exercicio hj em terapia e foi otimo, fiquei um tempo bem, mas ja retornou o desespero, nao sei como me ajudar, lendo os depoimentos, parece que todos foram ao psiquiatra e tiveram indicaçao de medicamento, pra mim nao, o que fazer?

Lu Vaz disse...

Olá, amiga! Eu recomendo que vc procure outro psiquiatra. E tente fazer isso antes da viagem. Explique que vc precisa de uma consulta de emergência e peça um encaixe. Eu demorei um tempão pra me sentir confiante com um médico. Outra coisa que pode te ajudar nessa emergência é um floral de Bach chamado Rescue. E pergunte ao seu terapeuta se você pode fazer o exercício do consultório em casa. Eu estou na sua torcida. Vai dar tudo certo, eu confio nisso. O espaço aqui é aberto para desabafos, testemunhos, troca de experiências... Vc é muito bem-vinda e fique à vontade para conversar o que quiser. Beijos, queridona!

F. disse...

Olá eu iniciei meu tratamento a 2 semanas e meia com o Lexapro, e tneho tido alguns sintomas diários de ansiedade com toda aquela paupitação, enjoo e etc......meu médico disse que é normal até que eu pare de trocar a dose e me fixar em um comprimido por dia pelo menos por 10 dias.........ainda estou relutante que vá adiantar.........alguém já tomou esse remédio e teve essas reações......bjos para todos que sofrem desse mal...

Anônimo disse...

ola sou a sandra, sofro deste malllll a muitos e muitos anos......depois de muitos remédios e tratamentos tive uma melhora e consegui viver alguns anos quase que normais,,quase porque vira e mexe aparece tudo,,mais fui levando até que a enxaqueca que nao me deixava e uma enorme dor no pescoço me fez voltar ao neuro e relatei que minha depresão, sindrome do panico , ansiedade ..., voltaram...ele me passou o exodus e suspendeu os antidepressivos que eu estva tomando a anos,,,, estou com o exodus s 8 dias....tenho momentos de melhora , mas nao estou bem,,,piro em pensar de ficar sozinha, sinto enjoos, dor no figado,, nao tenho apetite nenhum, um zumbido no ouvido..nossa... será que alguem pode me dizer se ja tomou se teve estes sintomas e se ele foi bom?....nao sei se paro e volto ao meus anteriores..ou tomo mais algum tempo para ver como fico.....por favor me respondam ....meu email é sanoliv70@hotmail.com
beijos a todos

Lorenalima67 disse...

Olá. Meu nome é Lorena e vendo tantos depoimentos achei válido postar o meu. sentia os sintomas de sudorese, tontura, pressão baixa (a minha já é baixa), diarréia, enfim... fiz todos os tipos de exames e endoscopias porque achavam que eu tinha a Síndrome do Cólon Irritável... fui várias vezes para emergências de hospitais aqui no RJ, em Búzios, enfim, e era sempre tratada com PLASIL+BUSCOPAN na veia!!! Eu apagava e acordava ótima!!! Na verdade isso só estava mascarando o problema. Finalmente, no meio de uma consulta com a minha ginecologista, quando eu ia levantar para me vestir só me lembro de ter falado "Estou me sentindo meio estranha...". Durante 5 min parecia que a minha vida estava passando como um filme acelerado na minha frente, até que ouvi de longe minha médica falar o meu nome. Ela imediatamente me indicou a um psiquiatra que me disse que eu estava com um pezinho na SP. Bom, usei paroxetina 20mg durante uns 4 anos, mas em maio de 2011 caí numa crise aguda e não conseguia nem sair do meu quarto. PPARA SAIR DESTA VIOLENTA CRISE QUE ME DEIXOU PELO INSS POR 6 MESES EU TOMEI: PONDERA 40mg + LAMOTRIGINA(Lamitor) 50mg, e quando não consigo dormir tomo ZOLPIDEM(Stilnox) 12,5mg. Melhorei, não sinto mais NADA. Demorou uns 2 meses para eu sair do quarto, mas agora faço de tudo.
PROBLEMAS: No início emagreci horrores, fiquei com 62 kg, mas depois ENGORDEI 8 KG.
Minha pergunta: Tais medicamentos desaceleram o metabolismo? Tenho 44 anos. Obrigada, lorena.

Lorenalima67 disse...

Oi, meu nome é Lorena e tenho 44 anos. Tenho SP fazem 5 anos. Antes, por causa das minhas crises de estômago(diarréias, etc.) fui diagnosticada como tendo Sindrome do Cólon Irritável. Tomava PLASIL+BUSCOPAN na veia e era só isso. Até que desmaiei por mais de 5 minutos no consultório da minha ginecologista... ela assustada, me encaminhou para um psiquiatra conhecido que finalmente descobriu minha SP. Por 4 anos tomei PAROXETINA 20mg. Desde maio 2011 estou de licença pelo INSS, pois desta vez a crise foi muito forte a ponto de não conseguir sair de casa. Minha medicação foi alterada, mas não tomo nenhum destes medicamentos que vcs falaram. Tomo ao acordar 1cp PONDERA 40mg + 1 cp LAMOTRIGINA(Lamitor) 50mg. A noite, se não conseguir dormir, tomo 1cp de ZOLPIDEM(Stilnox CR)12,5mg. Estou me sentindo muito bem desde outubro. Fui melhorando a cada dia e agora estou ótima, sem NENHUM sintoma. O repouso foi necessário. IMPORTANTE: se não estão conseguindo dar conta do recado, entrem de licença, seu corpo está pedindo socorro, descanso é fundamental!!! Se vc pirar, não conseguirá trabalhar, namorar, cuidar de filhos, etc... esta é a hora de se colocar EM 1º LUGAR. O problema é que as pessoas que não conhecem SP acham que é frescura. Meu namorado mesmo me dizia pra me levantar, pra sair de casa... É difícil, mas tem jeito. Agora tomo PAROXETINA 25mg, Stilnox 50mg e não tomo mais remédio para dormir. Vida normal.
Só tive um problema e quero até perguntar se acontece mesmo: após aumentar a dose da paroxetina para 40mg engordei numa velocidade galopante, tipo 1kg por semana. Foram ao todo até agora 9 kg.
>>>Minha pergunta é se estes medicamentos desaceleram o metabolismo. Obrigada!!!

Cristine disse...

Tenho 31 anos.Trabalheu como bancária por 7 anos de um banco espanhol no Brasil. Pedi demissão e fui para um banco americano. Devido a pressão no trabalho, fui ficando muito estressada, angustiada e triste. Passei a tomar rivotril recomendado por um clínico geral , juntamente com fluxetina. Todos os dias antes de ir ao tranalho, tinha muita diarréia e taquicardia. Apesar de da ordem do médico pra me afastar do trabalho, continuei trabalhando mas não aguentei. Tive um ataque de nervosismo, com muito choro e diversos momentos de ter q parar o trabalho e ir pro banheiro orar.Hj me encontro afastada faz 1 ano e 4 meses pelo INSS.Desde o meu afastamento nunca saí pra me divertir, ir a uma praia ou casa de amigos. Não visito meus parentes e não atendo telefones. Sofro com medo de voltar ao meu trabalho e ser criticada pelos meus colegas. Não estou feliz afastada e morro de medo de medo de voltar trabalhar. Hoje tomo exodus, rivotril e trileptal e parei de fazer terapias por não ver melhoras. Tenho 2 faculdades, uma pós, uma vida financeira boa mas não sou feliz. Tenho sonhos de ter 3 filhos, sonhos esses que se perdem nos meus pensamentos suicidas e sem direção.Não sei mas o que fazer...

Anônimo disse...

OLA PESSOAL SOU PEDRINHO, SOFRI MUITO POR MAIS OU MENOS 11 ANOS POR SIDROME DO PANICO, ACHAVA QUE NUNCA IRIA ENCONTRAR UM TRATAMENTO QUE RESOLVESSE MEU PROBLEMA, MAS SEMPRE BUSQUEI A CURA E HOJE FAZ 60 DIAS QUE TRATO COM EXODUS E POSSO DIZER QUE ENCONTRARAM A CURA PARA DEPRESSAO E PANICO, POIS JA ME TRATEI COM TODOS OS REMEDIOS QUE ESTAO NO MERCADO QUE SAO ACESSIVEIS POR NOS, FELIZMENTE ME RECEITARAM EXODUS E POSSO DIZER QUE ESTOU NASCENDO DE NOVO TO MUITO FELIZ JA ESTOU FAZENDO PLANOS PARA O FUTURO E ATÉ COMPREI UM CARRO MELHOR FINANCIADO, COISA QUE TINHA MEDO POR NAO TER CONDIÇOES DE TRABALHAR. SE QUIZER MAIS DETALHES E SO ENTRAR EM CONTATO COMIGO QUE ESTAREI INTEIRAMENTE A DISPOR. MEU E-MAIL É "CHACARADOPEDRINHO@HOTMAIL.COM" UM ABRACO. OBS: O TRATAMENTO NO INICIO É MUITO DIFICIL POREM SERA CURADO.

Anônimo disse...

GOSTARIA DE SABER SE ESSE MEDICAMENTO CHAMADO VALDOXAN,PODE ENGORDAR?DESDE JÁ FICO GRATA

BREVE ESTATUTÁRIO disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Anônimo disse...

Há 3 meses descobri,que tenho sindrome do panico e transtorno de ansiedade,venho me tratando com Exodus e alprazolam 2mg.Hoje faz 3 dias que não faço uso de Exodus, pior momento da minha vida estou me sentindo mto mau,choro o dia todo,estou mto perdida,para mim o mundo esta acabando.Abraçoss

Postar um comentário

POR FAVOR, INFORME O SEU WEBSITE OU E-MAIL, NOME OU APELIDO E COMO CHEGOU AO BLOG. OBRIGADA!

Você já é um BB? Inscrições abertas!

......................................................


Blogueiros do Brasil

Amigos do Gostos e desgostos no Facebook

Amigos do Blog Gostos e desgostos